A fraude do azeite – O azeite que você compra pode ser falso

Leo Oliveira 6 de agosto de 2012 34

Cerca de 70% do azeite extravirgem vendidos em todo mundo são diluídos com outros óleos tornando-os uma grande fraude mundial. Isso é o que afirma o jornalista americano Tom Mueller, autor do livro Extra Virginity: The Sublime and Scandalous World of Olive Oil (Extra Virgem: O Sublime e Escandaloso Mundo do Azeite, em inglês).

No livro (ainda sem edição brasileira), Mueller mostra como a indústria bilionária do azeite falsifica os produtos. De acordo com o jornalista, o lucro com a adulteração do azeite pode ser comparada ao tráfico da cocaína.

O seu azeite pode ser falso

Conforme o Conselho Internacional da Oliva, que supervisiona o mercado mundial de azeite, o Brasil foi o país que teve a segunda maior taxa de importação de azeite em 2011, perdendo só para Rússia.

Segundo Nelson Sakazaki, diretor técnico da Associação Brasileira dos Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira, 20% do azeite vendido no Brasil sofreu algum tipo de adulteração.

E a fraude não permanece somente nos produtos. “Em muitos restaurantes, os proprietários misturam outras óleos diretamente na lata de azeite extra virgem e o consumidor, desavisado, não percebe”, diz Sakazaki para a revista Veja.

Como reconhecer um genuíno azeite extra virgem?

É difícil afirmar se a marca de azeite que você está comprando é realmente extra virgem. Porém, existe uma dica que pode lhe dizer se o seu produto é real ou falso.

O azeite extra virgem solidifica quando está frio. Para realizar o teste, basta colocar um pouco de azeite dentro de um recipiente de vidro, e mantê-lo dentro do refrigerador por um prazo de 48 horas. Ao abrir a geladeira, verifique se o azeite está turvo ou endureceu. Qualquer óleo que não engrossar na geladeira, não é puro – simples assim.

O ponto de fusão (transformação de líquido para sólido) do azeite acontece na temperatura de 13-14° C, ou seja, com a redução da temperatura o azeite deverá solidificar e apresentar-se na forma pastosa.

Por fim, só nos resta confiar nos órgãos de fiscalização e no respeito das empresas com o consumidor.

Até a próxima!

Referências: Natural News; Veja

Comente com sua conta do Facebook

34 Comments »

  1. Hannah 6 de agosto de 2012 at 15:31 - Reply

    Que decepção, aqui em casa só consumimos azeite extra virgem, vou fazer o teste da geladeira para conferir. Parabéns pelo blog, muito bom conteúdo!

    • Leo Oliveira 6 de agosto de 2012 at 22:14 - Reply

      Obrigado Hannah.
      Volte sempre!

  2. Samuel De Souza Raphael 10 de abril de 2013 at 23:40 - Reply

    vou fazer o teste do azeite prque uso muito

  3. Nelson Gomieiro Filho 11 de junho de 2013 at 21:54 - Reply

    Faça oteste!

  4. flávio 23 de junho de 2013 at 21:20 - Reply

    Entendido, mas se o óleo for mixturado com outro óleo não deverá ter as mesmas caracteristicas se for na geladeira ou somente o óleo de oliva fica turvo ou semi duro?

    • Leo Oliveira 24 de junho de 2013 at 7:15 - Reply

      Olá Flávio,

      Obrigado por enviar sua dúvida.

      Em circunstâncias normais, qualquer óleo se solidifica quando permanece algum tempo na geladeira. O que muda de um óleo para outro é o ponto de fusão (transformação de líquido para sólido) que, no caso do azeite, é de 15-17° C.

      Se o azeite for misturado com algum outro tipo de óleo, seu ponto de fusão se altera, mostrando que há algo de errado com o azeite.

      Qualquer dúvida, estamos à disposição.

      Obrigado e volte sempre!

  5. Luiz Fernando Carpentieri 8 de julho de 2013 at 22:28 - Reply

    muito interessante. vou testar.

  6. Ken 10 de julho de 2013 at 19:44 - Reply

    Na Europa, grande produtora de azeite de oliva, durante o inverno esse azeite virgem extra (não existe extra virgem, pois ou é vigem ou não é; virgem extra é um azeite virgem com algumas características especiais – ou extras) deve solidificar, segundo essa teoria. É isso mesmo o que acontece?
    Esse solidifica/liquefaz que deve ocorrer na Europa altera as propriedades do azeite, como sabor, odor, conteúdo nutricional?

    • Leo Oliveira 10 de julho de 2013 at 22:28 - Reply

      Olá Ken,

      Segundo a Associação Brasileira de Produtores, Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira, existem três tipos de azeite: extra virgem, virgem e puro.
      http://www.oliva.org.br/conhecendo-o-azeite.php

      Com relação a sua questão, sim, o azeite de boa qualidade deve solidificar quando colocado na geladeira. O sabor e odor sofrem uma pequena alteração devido a redução da temperatura, mas nada que impeça de você utilizá-lo. Faça o teste em sua casa. Identificar a qualidade e procedência dos produtos que adquirimos é sempre importante.

      Qualquer dúvida, estamos à disposição.

      Obrigado e volte sempre!

  7. Fábio Bianco 17 de julho de 2013 at 3:06 - Reply

    Vou colocar em prática essas dícas, pois em minha casa somos consumidores contumazes de azeite extra virgem Gallo.

  8. Jô Cavalcanti 17 de julho de 2013 at 3:31 - Reply

    também vou fazer o teste gosto muito do Cardeal, Báltico e o andorinha ambos 0,5 de acidez

  9. Luiz Antonio Fernandes 30 de julho de 2013 at 11:47 - Reply

    vamos fazer o teste. mais isso tbem.

  10. agueda 27 de agosto de 2013 at 5:59 - Reply

    compre azeite de portugal. submetido a rigorosos testes de qualidade.
    eu uso Azeite Gallo. sei que é de excelente qualidade.

  11. Nubia Tomasi 3 de outubro de 2013 at 11:27 - Reply

    colega, da mesma forma só uso gallo, e infelizmente frustrei…
    GAtomasi

  12. Abrão Baumel 7 de outubro de 2013 at 11:39 - Reply

    Eu percebi que a maioria dos azeites portugueses não tem o mesmo gosto dos antigos. que escreviam no rótulo só é portugues o azeite que tem esta marca.
    Não gosto do extra virgem parece aguado.

    • Leo Oliveira 7 de outubro de 2013 at 14:39 - Reply

      Olá Abrão,

      Obrigado pelo seu comentário.

      Volte sempre!

  13. Ilza Fauvel 29 de outubro de 2013 at 2:43 - Reply

    Li a matéria e como consumo bastante azeite resolvi fazer o teste com a marca que estou usando no momento ANDORINHA lote 2031823 fabricado 12/2012 / 2014 código de barra 5 601216 120152 importado e distribuido por Bunge Alimentos S/A e pela dica aqui posso informar que o AZEITE ANDORINHA que estou usando no momento NÃO É PURO conforme teste de orientação que fiz a quatro dias atrás o AZEITE ESTA LIQUIDO SEM NENHUMA ALTERAÇÃO, até parece que acabei de colocar no vidro e levar para a geladeira . Vou mandar essa matéria para o Distribuidor, Bungesac@bunge.com e espero uma resposta e dai postarei aqui e vou entrar no site http://www.azeiteandorinha.com.br e ver se tem como postar algo também, pois se estou sendo lesada quero uma explicação

  14. Pedro 13 de novembro de 2013 at 0:05 - Reply

    O Azeite Gallo extra virgem vendido em supermercados aqui no Brasil provavelmente é adulterado. Já comprei o mesmo azeite em Portugal e o sabor é completamente diferente. Claro que o de lá é muito bom, e o daqui tem pouco sabor de azeite. Desconfiei sobre esse assunto e fui procurar na internet encontrando diversas matérias sobre esse tipo de fraude. Já enviei reclamação à Gallo do Brasil.

    • Leo Oliveira 13 de novembro de 2013 at 4:32 - Reply

      Olá Pedro,

      Muito bom saber que existem pessoas como você que exigem das empresas um produto de melhor qualidade. Esperamos que essas exigências sejam atendidas.

      Obrigado e volte sempre!

  15. Greg 26 de novembro de 2013 at 15:39 - Reply

    infelizmente o azeite Gallo tambem nao presta!!!

    experimentei uns 10 tipos ata agora e nemhum passou no teste! – quinta da aldeia – olitalia – galo e por ai vai…. nemhum solidificou na geladeira!!
    a unica coisa confiavel é o oleo de coco , esse sim solidifica, ate fora da geladeira quando o tempo esfria
    to usando e é otimo! -marca Copra!!!!!!
    que sabor a comida!!!!! otimo!
    to quase desistindo do azeite! vou experimentar mais um espanhol agora da marca hopjiblanca, que acho infelizmente que tambem nao vai passar!

    • Leo Oliveira 27 de novembro de 2013 at 11:48 - Reply

      Olá Greg,

      O óleo de coco também é ótimo para a saúde. Você fez uma boa escolha.

      Obrigado por suas dicas e contribuição.

      Volte sempre!

  16. Raphael Matos Do Carmo 3 de dezembro de 2013 at 19:59 - Reply

    Olha ai pessoal, no Brasil quase todos os produtos que consumimos é falsificado, o consumidor é lesado por todos os lados

  17. Raphael Matos Do Carmo 3 de dezembro de 2013 at 20:00 - Reply

    Lindoelson Oliveira; Antonio Alves De Carvalho Junior; Jani Bispo; Jaci Soares; Isabela Caminha; Vilfran Souza Benrral

  18. Vilfran Souza Benrral 4 de dezembro de 2013 at 11:35 - Reply

    bem sério man…..

  19. Antonio Alves De Carvalho Junior 4 de dezembro de 2013 at 12:33 - Reply

    É osso, até o ovo e o frango deve estar adulterado, lamentável Raphael Matos Do Carmo.

  20. Raphael Matos Do Carmo 4 de dezembro de 2013 at 12:37 - Reply

    Esse é o Brasil.

  21. MARIA TERESA 8 de dezembro de 2013 at 15:21 - Reply

    Leo, sou pesquisadora autodidata de tudo o que possa se referir à alimentação. Substitui há bom tempo os óleos comuns pelo óleo de coco e também estou adorando os resultados, tanto quanto ao paladar quanto pra saúde, li os livros disponíveis recentemente lançados e estou firme nessa substituição também e principalmente a pipoca fica escandalosamente boa no óleo de coco! Mas… quanto aos extra virgens… não ficou nenhuma marca na peneira?? Me diga por favor! Ele tem seu espaço pra mim ainda..srsrs

    • Leo Oliveira 9 de dezembro de 2013 at 2:47 - Reply

      Olá Maria Tereza,

      Primeiramente, obrigado por sua visita.

      Com relação a sua dúvida, segundo a Associação Brasileira de Produtores, Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira, 11 marcas não passaram no controle de pureza do azeite realizado pela Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas.

      Para que você conheça as marcas e também para dar crédito à pesquisa, disponibilizo logo abaixo, o link com as informações completas desta análise:

      http://www.oliva.org.br/controle-da-pureza.php

      Indicamos que você tenha esta lista em mãos. Dessa forma, você pode evitar a compra de azeites que não estão dentro dos padrões de qualidade.

      Qualquer dúvida, estamos à disposição.

      Obrigado e volte sempre!

  22. Rose 25 de junho de 2014 at 10:26 - Reply

    Fiz o teste com o azeite extra virgem marca COCINERO
    Inacreditável mas ele ficou pastoso e turvo realmente como deve ficar estou muito satisfeita vou continuar comprando dele

    • Leo Oliveira 30 de junho de 2014 at 20:27 - Reply

      Olá Rose!

      Obrigado pelo seu comentário! É sempre muito bom ter indicações de bons produtos.

      Obrigado pela visita e volte sempre!

  23. Banhato 26 de junho de 2014 at 13:05 - Reply

    Pessoal, fiz o teste com os óleos Tradição (já sabia que é óleo composto, mais vem rotulado como extra virgem) e fiz que tenho utilizado ultimamente o Olitalia, o tradição não sofreu alteração e o Azeite Extra da Olitalia congelou em menos de 3 horas! valeu pelo teste! Aproveitando tem uma matéria http://jornalggn.com.br/blog/proteste-associacao-de-consumidores/teste-de-azeite-de-oliva-pior-resultado-entre-os-quatro-ja-realizados-pela-proteste

    essa material é da proteste feita em outubro de 2013 e fala sobre as marcas e teste. abraços

    • Leo Oliveira 30 de junho de 2014 at 20:29 - Reply

      Olá Banhato!

      Muito interessante o link que você nos forneceu. Esperamos que os consumidores continuem atentos a procedência dos produtos que estão no mercado, principalmente com relação ao azeite.

      Obrigado pela sua contribuição e visita. Volte sempre!

  24. Antónia Sousa 2 de setembro de 2014 at 11:48 - Reply

    Gente uma vez vi uma reportagem em um canal português, que o azeite sai de Portugal modificado, com sabor e acidez diferente conforme as exigências de cada País. E não é fraude, eles apenas obedecem os orgãos que fiscalizam. Mesmo que eu quisesse abrir uma empresa de exportação de azeite e exigisse que o azeite não fosse modificado, nem se quer conseguiria!

  25. Ivan 9 de setembro de 2014 at 11:24 - Reply

    Temos Azeite extra virgem biológico da Região de Trás-os-Montes com acidez 0,1% direto da região produtora,premiados Internacionalmente.
    Produtor Acushla,produto Premium.
    O Produtor
    Feito com paixão e respeitando as tradicionais culturas da região no que diz respeito a produção
    biológica.

Deixe Seu Comentário »